A reeducação do homem agressor: grupo reflexivo de violência doméstica

Anabel Guedes Pessôa, Paula Isabel Bezerra Rocha Wanderley

Resumo


A Lei Maria da Penha traz una inovação pensando na possibilidade de cooperar com a prevenção da violência contra mulher, no momento que dá a possibilidade do juiz da Vara de Violência Doméstica determinar ao homem agressor a frequentar programas de reeducação e recuperação. Surgem assim os Grupos reflexivos de homens autores de violência doméstica pelo Brasil, em que vários profissionais multidisciplinares cooperam com a possibilidade de reeducação e /ou recuperação destes. 

Palavras-chave


Violência contra mulher; Grupo reflexivo; Lei Maria da Penha; Homens Agressores

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, Fernando; ANDRADE FILHO, Antônio; BRONZ, Alan. Conversas homem a homem: grupo reflexivo de gênero. Metodologia. Instituto NOOS, Coleção Homens e Violência de Gênero, Rio de Janeiro,v. 3, 2004. Disponível em: Acesso em: 12/02/2018.

ATALLAH, AMADO E GAUDIOSO,Raul, Roberto e Pierre. Experiências no trabalho com homens autores de violência doméstica: reflexões a partir da experiência do SerH. Iser- Instituto de Estudos da religião. Rio de Janeiro, 2013.

BRASIL. Lei nº 13.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do §. 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos juizados de violência doméstica e familiar contra a mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 8 AGO. 2006.

BRAZÃO, Analba; OLIVEIRA,Guacira Cesar de. Violência contra as mulheres- Uma história contada em décadas de lutas. Brasilia: CfêmeaA: MDG3 fund, 2010.

CORSI, Jorge. Modelos de intervención con hombres que ejercen violencia en la pareja. Feminismo/s. N. 6. 2005.

DURAND, Veronique. Órfãs da Esperança. Violência Contra Mulher. Editora: CUBZAC. 1ª Edição. 2016.

FRAZER, Nancy. Mapeamento a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Estudos Feministas, Florianópolis, 15(2): 240 Copyright 2007by Revista Estudos Feministas.* Publicado em Constellations, Oxford: Blackwell PublishingLtd., v. 12, n. 3, 2005. p. 295-307. Traduzido e publicado com a autorização da autora.

GASPARETTO, Antônio Júnior. http://sosmulherefamilia.blogspot.com/2017/02/segunda-onda-feminista.html acessado em 06.08 .2018 às 10:25.

GREGORI, Maria Filomena. Cenas e queixas: Um estudo sobre mulheres, reações violentas e práticas feministas. São Paulo: ANPOCS/Paz e Terra, 1993.

LEITE, Lopes. (2013). Atendimento a homens autores de violência doméstica: desafios à política pública. http://www.iser.org.br/site/wp-content/uploads/2013/11/homens_miolo_9nov_.pdf. Acesso em: 08.Jan.2018

LEITE, Fabiana; LOPES, Paulo Victor Leite. Serviços de educação e responsabilização para homens autores de violência contra mulheres: as possibilidades de intervenção em uma perspectiva institucional de gênero. ISER. Rio de Janeiro, 2013.

LIMA, Daniel Costa; BUCHELE, Fátima. Revisão crítica sobre o atendimento a homens autores de violência doméstica e familiar contra as mulheres. Physis: Revista de Saúde Coletiva, vol. 21, n.2. Rio de Janeiro, 2011.

MACHADO, Marta Rodriguez de Assis. O sentido da responsabilização no direito: ou melhor, a invisibilização de seu sentido pelo direito. ISER. Rio de Janeiro, 2013.

MANITA, Celina. Programas de intervenção em agressores de violência conjugal.Revista de reinserção social e prova, nº1, 2008:21-32.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. 1ª ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Anabel Guedes Pessôa; Paula Isabel Bezerra Rocha Wanderley

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR