Processo eletrônico e novo CPC: reflexões sobre o Processo Civil no meio digital

Matheus Arcangelo Fedato, Vinícius José Corrêa Gonçalves

Resumo


O presente trabalho propõe-se a fazer uma análise do processo eletrônico no atual ordenamento jurídico brasileiro, bem como dos dispositivos trazidos pelo novo Código de Processo Civil que se referiram a tal modalidade de processo. O tema em estudo é de grande relevância na atualidade, pois está relacionado com a internet e com uma nova forma processual, preocupando-se em observar como a sociedade da informação lida com este novo tipo de tecnologia e como ela pode ser aplicada em benefício processual para as partes em litígio. A problemática levantada insere-se dentro de como o processo eletrônico pode ajudar a amenizar o altíssimo número de ações que se encontram tramitando no Poder Judiciário atualmente, por meio da promoção dos mandamentos constitucionais, verificando-lhes uma maior eficácia no âmbito processual. Estudam-se, então, os princípios que de alguma forma estão diretamente atrelados ao processo eletrônico, quais sejam, o do devido processo legal; o da ampla defesa; o do acesso à justiça; da publicidade; da razoável duração do processo e da igualdade, buscando-se explanar sobre como referidas garantias podem ser beneficiadas pelo processo eletrônico. Ao final, são tecidas algumas críticas à adoção do processo eletrônico como único solucionador da morosidade nos tribunais brasileiros. Desse modo, objetiva-se, por meio do presente, analisar o processo eletrônico no novo Código de Processo Civil e a sua relação com a modernidade, considerando seus efeitos dentro do ordenamento jurídico brasileiro. Para atingir essa finalidade, o trabalho vale-se dos métodos hipotético-dedutivo e dialético, além de meios de pesquisa documental, eletrônico e bibliográficos.


Palavras-chave


Processo eletrônico; Novo Código de Processo Civil; Modernidade

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Keila Rodrigues. Acesso à Justiça: instrumentos viabilizadores. São Paulo: Letras Jurídicas, 2010.

BRASIL. LEI Nº 13.105, DE 16 DE MARÇO DE 2015. Código de Processo Civil. Brasília, Distrito Federal, Brasil. 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Resolução Nº 121, de 5 de Outubro de 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/atos-administrativos/atos-da-presidencia/323-resolucoes/12239-resolucao-no-121-de-5-de-outubro-de-2010>. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional De Justiça. Justiça em números: Relatório Interativo. Brasília, 2013, p. 2. Disponível em: . Acesso em: 09 out. 2018.

BRASIL. Senado Federal. Anteprojeto do novo Código de Processo Civil. Brasília, Distrito Federal, Brasil. 2010. Disponível em: < http://www.senado.gov.br/senado/novocpc/pdf/Anteprojeto.pdf>. Acesso em: 05 out. 2018.

BRASIL. Senado Federal. Legislação x PLS 166/2010 x SCD 166/2010 x Texto consolidado com os ajustes promovidos pela Comissão Temporária do Código de Processo Civil. Brasília, Distrito Federal, Brasil. 2010. Disponível em: < http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getDocumento.asp?t=158926> Acesso em: 07 out. 2018.

CAPELLETTI, Mauro. Acesso à justiça. Trad. Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabris, 1988.

CAMBI, Eduardo. Neoconstitucionalismo e neoprocessualismo. Panóptica, Vitória, ano 1, n. 6, fev. 2007, p. 1-44. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 18.

COSTA RICA, Convenção Americana sobre Direitos Humanos - Pacto de San José. 1969. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2014.

DIDIER JR, Fredie. Curso de Direito Processual Civil – Vol.1. 16. Ed. rev. Ampl e atual. Salvador: Editora JUSPODIVM, 2013.

GALANTER, Marc. Reading the landscape of disputes: what we know and don´t know (and think we know) about our allegedly contentious and litigious society. UCLA Law Review, 31 UCLA L. Rev. 4, October – 1983.

GONÇALVES, Vinícius José Corrêa. Tribunais Multiportas: em busca de novos caminhos para a efetivação dos direitos fundamentais de acesso à justiça e à razoável duração dos processos. Jacarezinho, 2011. Dissertação de mestrado – Programa de Pós-graduação em Ciência Jurídica – Universidade Estadual do Norte do Paraná, Centro de Ciências Sociais Aplicadas.

INTERNET LIVE STATS, Brazil Internet Users. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

MENDONÇA Jr., Delosmar. Princípios da ampla defesa e da efetividade no processo civil brasileiro. São Paulo: Malheiros Ed., 2001.

NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito, 21 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

ONU, United Nations Human Rights. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2015.

PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Direito Processual Civil Contemporâneo – Vol.1. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 34 ed. São Paulo: Malheiros. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais Matheus Arcangelo Fedato, Vinícius José Corrêa Gonçalves

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR