Arbitragem nas relações de consumo: uma comparação com o Direito Português

Adriano Fernandes Ferreira

Resumo


Este artigo pretende analisar a utilização da arbitragem nas relações de consumo, fazendo um comparativo com o Direito Português e examinando os aspectos mais relevantes da Lei Portuguesa n.º 144/2015, responsável por implantar neste país a instituição de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo – RAL. Para isso, inicialmente traça-se um panorama histórico da arbitragem. Também são expostos os pontos principais da Lei n.º 9.307/96 (Lei de Arbitragem), bem como há uma discussão a respeito do instituto enquanto solução alternativa para os litígios de consumo.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição (1824). Constituição Política do Império do Brazil.Disponível em: Acesso em: 28 ago. 2018.

BRASIL. Constituição (1937). Constituição dos Estados Unidos do Brasil.Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.

BRASIL. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil.Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil de 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.015, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil de 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Código de Defesa do Consumidor. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.307, de 23 de setembro de 1996. Lei de Arbitragem. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2018.

CAHALI, Francisco José. Curso de arbitragem: resolução CNJ 125/2010 (e respectiva emenda de 31 de janeiro de 2013): mediação e conciliação. 3.a ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

CALDAS, Renato Vinicius; SILVA, Ricardo Kobi da. A arbitragem nas relações de consumo. Migalhas, de 28 de agosto de 2017. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.

CARMONA, Carlos Alberto. A arbitragem e processo: um comentário à Lei nº 9.037/96, São Paulo: Malheiros, 1998.

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação nº 257 da Comissão das Comunidades Europeias, de 30 de março de 1998, Jornal Oficial nº L 115, p. 31-34. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2018.

DIDIER JÚNIOR, Fredie. Curso de direito processual civil: Introdução ao Direito Processual Civil, Parte Geral e Processo de Conhecimento. 17.a ed., Salvador: Ed. JusPodivm, 2015.

FERREIRA, Adriano Fernandes. Comentários à lei de arbitragem. Editora Cia do eBook, 2017.

LISTA DAS ENTIDADES DE RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO. Direção-Geral do Consumidor da República Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2018.

MARIGHETTO, Andrea. O “diálogo das fontes” como forma de passagem da teoria sistemático-moderna à teoria finalística ou pós-moderna do Direito. In: MARQUES, Cláudia Lima (Coord). Diálogo das fontes: do conflito à coordenação de normas do direito brasileiro, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2ª tiragem, 2012.

MORAES, Márcio André Medeiros. Arbitragem nas relações de consumo, Curitiba: Juruá, 2ª tiragem, 2006.

OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES ECONÔMICOS. Direção-Geral do Consumidor da República Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2018.

PORTUGAL. Lei nº 144, de 08 de setembro de 2015. Lei da resolução alternativa de litígios de consumo. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2018.

RAL – MAPA E LISTA DE ENTIDADES. Direção-Geral do Consumidor da República Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2018.

RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO – NOVAS REGRAS E DESAFIOS. Direção-Geral do Consumidor da República Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2018.

SANDOVAL, Ana Flávia Magno. A cláusula arbitral e as normas do novo CPC. Migalhas, de 02 de março de 2012. Disponível em: < https://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI234968,21048-A+clausula+arbitral+e+as+normas+do+novo+CPC>. Acesso em: 04 set. 2018.

SCAVONE JÚNIOR, Luiz Antonio. Manual de arbitragem: mediação e conciliação. 7. ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Forense, 2016.

SILVA, Fernanda Sayuri Yoshida. A arbitragem no Novo Código de Processo Civil. DireitoNet, de 30 de abril de 2017. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL JULGA CONSTITUCIONAL A LEI DE ARBITRAGEM. STF. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2018.

TEIXEIRA, Sálvio de Figueiredo. A arbitragem no sistema jurídico brasileiro. In: GARCEZ, José Maria Rossini (Coord). A arbitragem na era da globalização, Rio de Janeiro: Forense.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais Adriano Fernandes Ferreira

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR